Busca Matéria:



quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Com que roupa eu vou?

Dia desses eu estava em Congonhas tomando um café e pensando na vida antes de ir pra sala de embarque quando encontrei um amigo de São Paulo. Ficamos conversando, coisa e tal, até que ele me perguntou na lata: você costuma trabalhar assim todo dia? Em São Paulo também ou só no Rio?

Tradução do “assim”: ele, de terno, pagando a maior elegância “business”, estava se referindo ao meu jeito de vestir um tanto quanto “largado” (ou, digamos assim, mais “informal”): calça jeans ajeitada, camisa pólo preta bacana, comprada numa promoção (e pra fora da calça, é claro) e sapatos pretos (e nesse dia, até a minha barba estava feita).

E aí eu me dei conta de que havia um certo sentido "antropológico" na indagação dele: a maioria dos caras em volta de nós estava de terno, com aquela pinta toda de executivo (ou de vendedor de livros ou de membro de uma congregação religiosa, nada contra eles...). Realmente, o meu visual naquele “contexto” não era dos mais “arrumadinhos”...

Mas, gente, se eu já estava morrendo de calor e no maior suadouro com aquele traje, imagina se eu estivesse, como tantas vezes tive de estar quando morava em SP, de terno?

Sei lá... Hoje, 10 anos mais velho e 15 quilos mais gordo, tenho muito mais dificuldades para vestir um terno em pleno verão de um país tropical como o nosso... Será que os estilistas e entendidos em moda de plantão não poderiam ajudar quem precisa se apresentar “bem” junto aos clientes, mas tem fobia de terno e gravata? Blazer também esquenta muito, manda outra...

Será que não podíamos pensar em soluções para o nosso “visual” mais adequadas às temperaturas impiedosas do verão? Clichezão nosso de cada dia, “tudo comunica” (roupa, cores, decoração do escritório, jeito de falar etc etc.). Beleza, de fato, o que estamos vestindo causa logo altas “primeiras impressões”.

Como criaturas do mundo da comunicação, trabalhamos o tempo todo com a imagem dos nossos clientes, da empresa em que atuamos e sobretudo com a nossa própria imagem... Mas será que temos de nos fantasiar de “homens de negócios” para sermos e parecermos ser “homens de negócios” ou “pessoas sérias, capazes e confiáveis”?

Sinceramente, acho tudo isso muito chato e gosto de me sentir à vontade e de ser valorizado pelo que sou, penso e produzo, e não pela marca do terno que não uso, mas o mundo é o mundo...

Nem todo mundo pode ser vestir daquela maneira “fashion” e “descolada” do pessoal que trabalha, por exemplo, em agências de publicidade e se acha muderno pra caramba. (Imagina os advogados recebendo seus clientes com aquelas roupas?). Às vezes (no meu caso, muitas vezes), rola um certo conflito de estar (ou não) sendo muito “transgressor” ou mesmo “inadequado” em alguns ambientes... Ser ou não ser “o” cara errado da situação?

Se eu pudesse ir com a minha calça jeans e uma camisa básica branca ou pólo (de preferência, bem leve) a todas as reuniões, eu iria amarradão... Se há uma coisa que abomino no guarda-roupa é cinto. Pra que cinto? Que invenção foi essa? Pra que a calça não caia? Mas se a calça não estiver caindo? Acho esquisito (e careta) essa coisa de blusa pra dentro da calça e um cintão por cima... Já me dá logo uma certa paúra, porque “aquilo” pesa no conjunto e meio que aprisiona o sujeito...

Sei lá... A verdade é que não entendo nada de roupas. Preciso de ajuda. De preferência de pessoas que curtam unir bom gosto à leveza, à praticidade e à barateza. Acho uma boa ouvirmos aqui algumas idéias e dicas de algumas pessoas sobre esses nossos códigos malucos de vestimenta.

Vamos pesquisar que empresas (pequenas, médias e grandes) “deixam” seus colaboradores se vestirem de acordo com o “estilo”, o “bom senso”, o "bem estar" e o desejo deles. Parece que há mega empresas que prezam o conforto como principal item a ser considerado quando se abre o guarda-roupa... Se o cara é bom, não estão nem aí se ele está de jeans e camisa básica e tênis...

É claro que não estou defendendo aqui que a galera comece a ir de roupa de praia para o trabalho... (Pensando bem, se a pessoa tiver de trabalhar num sábado e quiser pegar uma praia logo depois, até que não seria má idéia...). Vambora, então, lançar um manifesto pela liberdade de expressão não só de idéias e de imprensa, mas também de roupas (sem esquecer, é claro,
o bom senso no armário...).

8 comentários:

Anônimo disse...

Leo, muito bom! É isso mesmo... Entendo o que vc diz, pois tenho horror a me pensar de 'taileur' por exemplo. Saia igual ao blazer, meia fina, salto para andar nos buracos de Sampa. E um super calor... Isso aniquila qualquer elegância... Tenho um amigo que sempre usa uma frase ótima. "O elegante é sobretudo um independente." Gosto disso. O blog tá legal, viu? Sempre que dá passo por aqui... bj, Cátia

Tata disse...

Oi Leo! Pois é, também acho ridícula a idéia de alguém ter de usar terno e gravata no calor de 40oC do verão tupiniquim. Ainda bem que meu chefe não implica com roupas! hehe Bjs!
Thaís

Camila disse...

encontrei seu blog sem querer, estava procurando "canal17" no google, pois precisava saber em que canal passava as sessoes do governo, rsrsrs....

Mas acabei lendo, e gostei muito.

e o visual tá muito show, parabens.

Leonardo Pessanha disse...

valeu, catia e thaís, pelo apoio ao meu manifesto contra a formalidade burra do nosso modo de se vestir nas situações de trabalho... espero que, no futuro, as edições dos "tupiniquins fashion weeks" assimilem o conceito do elegante como o independente e o adequado ao nosso clima...
e que surpresa boa ver hoje os seus elogios, camila (é alguma camila que eu conheço?). legal saber que o meu blog é encontrável pelo Google e que algumas pessoas lêem e gostam dos posts!
bjs

Leonardo Pessanha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mimika disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Michele Oliveira disse...

Achei seu post maravilhoso!

De nada adianta trabalhar de terno e gravata num calorão danado, se sentindo mal, pouco à vontade - isso gera um incômodo desnecessário para o funcionário, e dependendo do caso, vai até prejudicar o seu rendimento . Acredito que as pessoas devem aprender a utilizar a liberdade com bom senso, uma camisa branca bonita com uma calça jeans ajeitada é uma ótima pedida!!

Seu blog é 10!!

Leonardo Pessanha disse...

Valeu, Michele!!!
Fico contente com os elogios.
Sugestões (idéias) de assuntos e temas pro blog dentro da área de Comunicação serão super bem-vindas. Pode mandar!
Abraços,
Leonardo